ARTIGOS
versão para imprimir




PANTURRILHAS:"AS BATATAS DAS PERNAS"


Quem não gostaria de ter pernas perfeitas e bem torneadas?


Criada há cerca de 30 anos na França, as reconstruções para pernas eram feitas de enxerto de gordura e tinham como principal objetivo a reconstituição de membros danificados por acidentes.

As próteses, já feitas de silicone e para fins estéticos, começaram a ser utilizadas a partir das décadas de 70 e 80.



As primeiras cirurgias de implante de prótese de silicone na panturrilha e coxa feitas no Brasil, tiveram como objetivo melhorar o aspecto das seqüelas de poliomielite ou paralisia infantil. Esta doença, já erradicada no país através das campanhas de vacinação, é causada por um vírus, o Enterovirus poliovirus que penetra no corpo do homem através da garganta ou intestino, fruto na maioria das vezes, de condições inadequadas de higiene. É mais comum em crianças ("paralisia infantil"), mas também ocorre em adultos.

Quando se fala em cirurgia de implante de silicone em membros inferiores, podemos citar 3 tipos: as de nádegas, de coxa e de panturrilha. Destas, a de coxa por ser mais recente e a menos procurada.

Assim como a prótese de peitoral e os implantes mamários, as próteses de panturrilhas vêm ganhando espaço como uma opção rápida e segura de melhoria do contorno corporal. Os candidatos, em geral, são adultos-jovens ou adultos propriamente ditos, com as mais diferentes expectativas e objetivos. Homens e mulheres têm se interessado cada vez mais por esta cirurgia, especialmente aqueles que possuem pernas finas e tortuosas, ou que apresentem um vão entre as pernas; situações estas de difícil correção com exercícios ou musculação.

A procura dos homens pela prótese de panturrilha vem em menor proporção que as mulheres, mas ocorre principalmente entre os adeptos da musculação, que desenvolvem os membros superiores bem mais rápido e fácil que os inferiores. Não há nenhuma relação entre a cirurgia nas pernas e o surgimento de varizes ou outro problema circulatório, também não aumenta nem diminui a flacidez.

Se Você é um candidato a este tipo de cirurgia, o primeiro passo é procurar um especialista, "cirurgião plástico", para examiná-lo e conferir as suas principais necessidades. Também é importante não ter dúvidas sobre a escolha e a mudança que o corpo irá sofrer. Esclareça com seu médico suas expectativas e quais são as reais possibilidades. Não adianta querer ter as pernas de um modelo pré-determinado, quando existe a limitação genética para isso. Seja realista, mas saiba que as modernas técnicas de colocação de próteses têm tudo para deixar você ainda mais satisfeito consigo mesmo.


As Formas das Próteses de Panturrilhas


1. Forma Assimétrica - Gel de Silicone

2. Forma Assimétrica - Elastomero de Silicone

3. Forma Simétrica - Gel de Silicone

4. Forma Simétrica - Elastomero de Silicone

Estes implantes são destinados a corrigir as desigualdades ou irregularidades das pernas; seqüela de poliomielite, má formação congênita, afecções neurológicas, traumatismos e outros. Embora tenham sido concebidos para cirurgia reparadora, têm sido usados, cada vez mais em cirurgias estéticas, com excelentes resultados até em outras áreas da perna conforme mostram trabalhos publicados.

A cirurgia é feita com anestesia geral ou peridural e tem um tempo cirúrgico de aproximadamente 1 hora e meia. O tempo de hospitalização é de 24 horas.
A via incisão é feita na região posterior do joelho, em uma dobra natural da pele, com um comprimento de mais ou menos 4 cm. Os pontos podem ser retirados entre 7 ou 10 dias do pós-operatório.

Deve-se fazer repouso durante uma semana, ao final da qual são retirados os pontos. É recomendado o uso de meia elástica de média compressão nos primeiros 20 dias e caminhar de salto alto ou tênis com mola o máximo possível. Os pés devem repousar em posição elevada algumas vezes ao dia, durante 15 dias. A presença da prótese é praticamente imperceptível e o resultado bastante natural.

Praticamente não existe risco de ruptura, podendo durar a vida toda. Não apresentam qualquer risco de rejeição, nem de provocar varizes ou problemas circulatórios.


voltar