ARTIGOS
versão para imprimir


HOMENS: Você conhece o seu precioso sistema reprodutor?


Sistema Reprodutor Masculino: É constituído pelas seguintes estruturas:

Saco escrotal: contém os testículos e está seccionado em dois compartimentos longitudinais por um tecido fibroso, o septo do escroto que reduz, por exemplo: o risco de uma infecção em um lado contaminar o outro testículo.

Testículos: gônadas do homem com forma oval ligeiramente achatada, pesando cerca de 12 g; contém entre 200 a 300 compartimentos (lóbulos).




Cada lóbulo tem entre 1 a 4 tubos muito finos, os tubos seminíferos muito enrolados onde, por espermatogênese (processo de divisão celular chamado meiose), geram-se milhões de espermatozóides (ou célula sexual masculina ou gametas masculinos).

Embrionariamente, os testículos estão perto dos rins e vão descendo até o saco escrotal pelo canal inguinal.

Diz-se que existe Criptorquidia sempre que não é possível palpar um testículo na bolsa escrotal. Quando não é possível encontrar um ou os dois testículos nas bolsas escrotais deve-se estudar o motivo. Essa ausência pode-se originar de problemas congênitos ou adquiridos:
o Testículos verdadeiramente não descidos;
o Testículos fora do local (ectópicos);
o Testículos retráteis ou em "ascensor";
o Testículos ausentes.

Normalmente a descida só se dá dentro do primeiro ano de vida. Mesmo com a possibilidade de tratamento hormonal, há casos em que mesmo assim há necessidade de tratamento cirúrgico da criptorquidia. No caso do tratamento cirúrgico também pode ser corrigida uma hérnia inguinal em muitos dos casos. A importância de identificar precocemente os casos de testículos não descidos deve-se ao fato de que podem surgir complicações quando não são corrigidos no tempo devido, principalmente infertilidade na idade adulta, desenvolvimento de tumor (muitas vezes maior), ocorrência de hérnia associada ou torção do testículo não descido.

É ainda bastante considerável o efeito psicológico negativo provocado pela existência de um saco escrotal vazio. O homem fica inibido e inseguro, assim como uma mulher que retira sua mama.

A fim de se amenizar esse efeito psicológico, há a possibilidade de implante de uma prótese testicular, que irá disfarçar com grande perfeição a ausência do testículo dentro da bolsa escrotal. Essa prótese, embora não tendo função orgânica alguma, melhora, e muito, a autoconfiança do homem.

Pênis: quando ereto, é o órgão copulatório masculino e consiste de 3 corpos susceptíveis de ereção mantidos como um todo por pele e outros tecidos. Dois dos corpos (corpos cavernosos do pênis) formam um par lado a lado na parte de cima do pênis enquanto que o terceiro corpo (corpo esponjoso uretral) é muito menos volumoso e está por baixo e entre os outros. O corpo esponjoso uretral está ligado ao bolbo do pênis, e os corpos cavernosos ao pilar do pênis, na cavidade abdominal. O pilar e o bolbo do pênis constituem a raiz do pênis.

A cabeça do pênis (glande) está normalmente coberta por um prolongamento de pele, o prepúcio. A zona circular que faz a junção da coroa da glande ao corpo do pênis constitui o sulco balano-prepucial, onde há a tendência de se acumular "lixo", o esmegma, uma substância sebácea.

Espermatozóide tem 3 partes: a cabeça quase totalmente formada de ADN, o segmento intermédio e a cauda, que é o chicote que o faz mover.

Testosterona: é um hormônio sexual tipicamente masculina, mas não é exclusiva dos homens, ou seja, as mulheres também o produzem em pequena quantidade; acredita-se que atua como um estimulante sexual.

Esta hormônio é responsável pelo aparecimento das características sexuais secundários masculinos e comportamento; tais como os pelos púbicos e das axilas, o timbre de voz, o aspecto físico geral e a formação de esperma funcional em um rapaz durante a puberdade, mais ou menos entre os 10 e os 14 anos. A taxa de testosterona no plasma sanguíneo e a produção de espermatozóides varia um pouco durante a vida de um homem, podendo influenciar a sua agressividade e o seu apetite sexual.

Os esteróides anabólicos, da família da testosterona, estimulam o desenvolvimento dos músculos e de outras estruturas. O seu uso abusivo por atletas pode ter efeitos secundários muito graves como doenças dos rins e do fígado e gerar câncer.

Próstata: é uma glândula com o tamanho e feitio de uma castanha grande com 4 cm transversalmente e 3 cm de espessura e com um peso de cerca de 20 g, em um adulto. Tende a recomeçar a aumentar lentamente (hipertrofia) a partir dos 25 anos e mais bruscamente após os 40/45 anos, pela andropausa, podendo chegar aos 80 gramas. A próstata contribui com fluído que se junta ao sêmen e que nutre os espermatozóides.

Sêmen: quase 60% do sêmen é constituído por secreções das vesículas seminais que impedem o espermatozóide de secar e contêm proteínas coagulantes, prostaglandinas e nutrientes incluindo um açúcar, a frutose, que lhe fornece energia para a sua mobilidade. São alcalinas, embora contenham ácido cítrico e fosfatase ácida, um enzima; o que ajuda a neutralizar o ambiente ácido da vagina, perto de 40% vem da próstata.
E glândulas bulbouretrais sob excitação sexual e também antes da ejaculação do sêmen, adicionam secreções líquidas que cobrem as paredes da secção final da uretra neutralizando o pH residual da urina. Este líquido é lançado suavemente, aparecendo no exterior e lubrificando a cabeça do pênis, sendo por vezes confundido com o sêmen normal.

E, menos de 1% do sêmen são espermatozóides, tendo uma cor esbranquiçada não homogênea, e uma consistência pegajosa.

O pH é de 7.2 a 7.8, o volume de sêmen numa ejaculação é de 1.5 a 5.5 ml, e o número de espermatozóides é de 40 a 250 milhão/ml e, se ejaculados na vagina, apenas umas centenas conseguem atravessar o útero e, destes, mais vulgarmente só um fecundará o óvulo.

Castração: O efeito de uma castração (remoção de ambos os testículos) depende da idade em que é feita.
Se acontece depois da puberdade o desejo e a potência sexual não são afetados, mas se sucede antes, então o indivíduo não desenvolve as características sexuais secundárias nem um comportamento sexual normal.

Curiosidades:

Em certos meios sociais orientais, a castração voluntária de adultos é uma intervenção muito requisitada "para melhorar o desempenho sexual"!!

Do século XVI ao XVIII, foi moda castrarem jovens para que mantivessem um tom alto vocal, parecido com a voz feminina, e serem usados nos coros (forçosamente masculinos) das igrejas e em peças de ópera. O cantor era chamado "falsete" ou "castrati" ou "castrato".

São bem conhecidos os "eunucos", jovens castrados para servirem de guardas e criados nos haréns orientais.

Fique de olhos nestas patologias e previna-se: além das doenças venéreas e de impotência, o pênis pode ser afetado por tumores cancerosos, sobretudo na glande, por uretrites (inflamação da uretra que pode induzir uma inflamação da bexiga, dita cistite), priapismo (ereção dolorosa involuntária), a Doença de Peyronie (espessamento fibroso que perturba a ereção), a balanopostite (inflamação da glande e do prepúcio), a balanite (inflamação crônica esbranquiçada, na ponta da glande), a eritroplastia de Queyrat (manchas avermelhadas sob a pele do pênis) que pode tornar-se cancerosa, etc.

Fimose: é a ausência de exposição da glande pela tração da pele, o prepúcio, que cobre a própria glande; isto é: a condição de constrição, endurecimento, ou alongamento exagerado do prepúcio, impossibilitando a criança ou o adulto exteriorizar a glande ou cabeça do pênis. Pode ter origem congênita ou adquirida ao longo dos anos; apresenta um estreitamento localizado. Um prepúcio normal cobre cerca de dois terços da cabeça do pênis, sem apertos indevidos, e o feitio da glande pode ser mais ou menos achatada, arredondada, em cunha, etc.

A fimose pode causar: dificuldade para urinar, dor durante a relação sexual; dificuldade para a limpeza completa do pênis, ocorrendo o acúmulo de secreções ou esmegma e parafimose, que podem levar ao surgimento de um processo inflamatório da glande e prepúcio (balanospostites) ou mesmo infecções urinárias. Postectomia é a cirurgia para correção da fimose.

Parafimose: condição na qual o prepúcio, uma vez retraído sobre a glande, não pode ser colocado na sua posição normal, levando ao inchaço e dor.

Circuncisão: pequena operação em que o prepúcio é removido devido a uma fimose ou por qualquer outra necessidade física, por preceito religioso ou outro motivo pessoal, deixando a glande exposta, não afetando nem o desejo sexual nem a eficiência do pênis durante a cópula.

ATENÇÃO: A anomalia mais comum e visível da uretra é o meato urinário desaguar, não na ponta da cabeça do pênis, mas ao longo do seu corpo. Chama-se hipospádia se o meato urinário abriu por debaixo do pênis e não na ponta da cabeça e epispadia se a abertura estiver no dorso do pênis.

Também nas mulheres, o orifício urinário pode erradamente desaguar em qualquer secção do aparelho urinário ou sexual, por exemplo, como fístula na vagina, ou até no ânus. Freios curtos podem dificultar o ato sexual e causar dor, por tenderem a encurvar a cabeça do pênis no ato de penetração. Estes defeitos, se causarem inconvenientes, podem ser corrigidos por cirurgia. O freio contém uma pequena artéria que pode causar uma hemorragia séria, se for cortada ou dilacerada acidentalmente.

ANDROPAUSA: também é conhecida como menopausa masculina. Ocorre geralmente entre as idades de 40 a 55 anos. Ocorre nessa fase uma queda no nível da testosterona (hormônio) e com isso as mudanças ocorrem muito gradualmente nos homens. O homem experimenta um declínio gradual de suas funções gonadais, caracterizada pela diminuição da taxa de testosterona e da produção de espermatozóides.

PÊNIS TORTO CONGÊNITO: é a condição na qual o pênis apresenta uma curvatura maior que 30 graus para o lado direito ou esquerdo e essa curvatura ocorre no meio do membro atrapalhando a relação sexual. É um tipo de anomalia que passa a ser mais observada quando se iniciam ereções encurvadas, embora o paciente já tenha nascido com essa anomalia. Uma possível causa desse encurvamento peniano no jovem deve-se à provável assimetria dos corpos cavernosos, isto é, um deles é mais longo que o outro, encurvando o membro para o lado do corpo cavernoso mais curto, não havendo um lado mais freqüente.

VASECTOMIA E REVERSÃO DE VASECTOMIA: é um método seguro e eficaz no processo de esterilização do homem que não deseja mais ter filhos. Consiste em uma cirurgia tecnicamente simples e de rápida recuperação, desde que realizada por especialistas (urologistas) e em condições favoráveis. Os ductos deferentes, que são pequenos canais que conduzem os espermatozóides ao sêmen, são ligados; ou seja, amarrados dentro da bolsa escrotal.

VARICOCELE: são veias que se dilatam em volta do cordão espermático. Formam-se geralmente com o decorrer da idade e podem causar esterilidade, pois aumentam a temperatura da bolsa escrotal e diminuem a drenagem de sangue da bolsa escrotal. A varicocele está presente em 15% da população masculina e em aproximadamente 40% dos homens que apresentam problema de fertilidade, pois acaba afetando a parte de espermatogênese.

DOENÇA DE PEYRONIE: é uma patologia comum entre os homens de 40 a 65 anos, e que provoca uma tortuosidade no pênis, dificultando e às vezes até mesmo inviabilizando a relação sexual; corresponde à presença de placas fibrosas na túnica albugínea dos corpos cavernosos. Essas placas têm tamanhos e posicionamentos variados, desde mínimas e, portanto, de difícil percepção, até grandes e múltiplas que comprometem quase toda túnica albugínea.

A origem dessa calcificação não é definida ao certo, mas pode ser atribuída em parte a pequenos e repetidos traumas ocorridos durante a relação sexual, micro traumas durante as ereções noturnas ou trauma direto em indivíduos que apresentem alguma pré-disposição. Um sintoma comum é o aparecimento de um caroço que pode ser sentido embaixo da pele do pênis causando uma ereção bastante dolorosa e deixando às vezes a cabeça do pênis frouxa.

HIDROCELE: é a presença de líquido em quantidades anormais dentro do escroto e envolvendo o testículo. Pode ser unilateral ou bilateral. As hidroceles podem ser congênitas ou adquiridas e causam um aumento nem sempre doloroso, mas muitas vezes desconfortável do saco escrotal. No homem adulto, as hidroceles são produto do desequilíbrio existente entre a formação e a absorção do líquido naturalmente existente ao redor do testículo. Isso pode ocorrer devido a processos inflamatórios ou traumatismos.

TAMANHO E DIÂMETRO DO PÊNIS: Cirurgias para o alongamento e engrossamento de pênis considerados dentro da normalidade estão descartadas mundialmente até o momento. Somente poderão ser indicadas cirurgias em situações extremamente especiais tais como casos comprovados de micro pênis, retrações excessivas devido à doença de Peyronie, amputação parcial ou retração peniana, em pacientes com lesão medular, com a finalidade de facilitar a implantação de próteses e coletores urinários penianos.

AZOOSPERMIA: é definida como a ausência de esperma na ejaculação.

ASPERMIA: é a ausência de qualquer líquido seminal na ejaculação.

PRÓTESES PENIANAS: começaram a ser usadas no tratamento da disfunção erétil há aproximadamente 30 anos, tendo sido a primeira terapia orgânica eficaz para essa condição. Atualmente, as próteses mantêm-se como importante opção terapêutica, naqueles casos que não apresentaram melhora com o uso de outros tratamentos.

Apesar de serem menos aplicadas do que outras terapias menos invasivas, as próteses são associadas à maior taxa de satisfação dos pacientes, fornecendo excelentes resultados.

Até há pouco tempo acreditava-se que, com a descoberta de medicamentos e opções não-cirúrgicas para a disfunção erétil, a cirurgia para implante de prótese poderia ser considerada ultrapassada. No entanto, estudos mostraram que com o tempo os tecidos penianos responsáveis pela ereção são substituídos por fibrose, fazendo com que, depois de determinado tempo, a única opção seja mesmo a prótese peniana. Antes do implante da prótese, o médico deve discutir com o paciente todos os detalhes relacionados ao procedimento, bem como as mudanças corporais que ocorrerão e as possíveis complicações. A decisão sobre o implante deve ser tomada em conjunto.

Os corpos cavernosos só recebem uma prótese de igual tamanho. Se isto não for observado, pode romper o corpo cavernoso nas penetrações, lacerando o períneo ou pode até ser expulsa pelo reto. Isto é, não tem como alongar o pênis. A prótese apenas se aproxima do normal e uma vez implantada, não pode mais ser retirada, a não ser que seja para ser trocada por outra igual, no caso de defeito.

PRÓTESE TESTICULAR: é implantada em pacientes que tiveram que retirar o testículo devido a infecções (como conseqüência de parotidite) ou traumas ou mesmo naqueles pacientes em que os testículos não desceram para a bolsa escrotal como deveria. Sua função é meramente estética, mas sem dúvida alguma é uma excelente solução para substituir um ou os dois testículos e devolver ao homem uma segurança importante para sua auto-estima.


O MELHOR CIRURGIÃO PLÁSTICO PARA A GENITÁLIA MASCULINA É O UROLOGISTA.


voltar