Nariz do Brasileiro
Orfeu (Toni Garrido), líder da Escola de Samba Unidos da Carioca, se apaixona por Eurídice (Patrícia França). A jovem acaba sendo vítima dos traficantes e tem uma morte inesperada. Orfeu não aceita o destino da amada e se dispõe a pagar com a própria vida na tentativa de mudar a decisão dos deuses movida por amor.

O que este filme tem a ver com a cirurgia plástica?

Neste filme podemos observar a multiplicidade de características físicas do povo brasileiro; todas derivadas da imensa mistura de raças que nos origina. Não é novidade para nós brasileiros que resultamos da junção básica de três raças e por isso, tornar-se tão complicado sabermos dizer qual a nossa própria cor. Para piorar, nossas autoridades tentam nos obrigar hoje em dia a declarar a cor que achamos ter. Nem dá para levarmos em consideração a herança familiar que na maioria de nós é tão rica. É freqüente encontrarmos pessoas com o pai de pele branca e a mãe de pele mais escura, ou vice-versa. E história de misturas inimagináveis em seus ascendentes. Toda esta rica combinação de povos produz caracteres físicos e traços fisionômicos que se vê por aqui. Então, quando se pensa em "Tipo Brasileiro" a primeira idéia que passa é a da "morenice espontânea e alegre", apesar de não sermos todos iguais na realidade.

É muito importante termos esta compreensão quando se pretende realizar uma cirurgia plástica estética em determinada pessoa.


Falando de miscigenação e de cirurgia plástica, tomemos como exemplo a variedade de formas do nariz do brasileiro. Ele pode ter características próprias do negro, do branco, do índio, do oriental ou um misto de todos. Pois bem, para fazer uma rinoplastia diante desta situação de miscigenação, o cirurgião plástico precisa levar em consideração estas características às nuances de individualidade e harmonia para aquele pretenso desejo de mudança. Numa avaliação técnica destas raças sabemos que a pele do negro tende a ser mais espessa e as cartilagens do nariz do branco costumam ser mais firmes. Isto explica que uma pele mais fina pode revelar melhor definição de resultado estético, mas poderá também revelar mais facilmente irregularidades. Em geral os afro-descendentes apresentam cartilagens nasais mais delicadas, narinas mais abertas e a falta de dorso nos nariz.

Se somos o resultado de várias misturas raciais, é compreensível que queiramos nos parecer com o aspecto físico do outro idealizado. Em muitos casos o que incomoda a uns pode ser um sinal de identidade própria e de personalidade; desta forma, o cirurgião deve estar atento e ter um senso estético voltado para a individualidade de cada paciente.
Isto passa a ser prejudicial quando tomamos como padrão de beleza uma única raça e seus caracteres próprios em detrimento das outras. Sabemos que a estética "branca" dita a moda na mídia, mas para a felicidade de todos, o mundo é democrático e já podemos encontrar nas bancas de revista outros "looks" raciais em destaque.

A cirurgia plástica é uma via de ida e volta, ou seja, médico-paciente, desejo-possibilidade e beleza-individualidade. Todos queremos ser belos e sempre achamos que belo é o outro.
Temos que preservar a fisionomia do rosto, a personalidade e características étnicas primordiais.

 

Todos sabem da importância do sangue, especialmente na eventualidade de uma cirurgia, ocasião na qual ele representa item fundamental para sua realização com segurança. Inúmeras campanhas de doação de sangue são veiculadas na mídia principalmente em épocas de feriados, festas de ano novo e carnaval, por exemplos, visando situações de emergência. Mas não para por aí; o sangue não deve ser visto somente com a finalidade de transfusões. Qualquer paciente de cirurgia eletiva, ou seja, aqueles que podem ser preparados previamente, só realizarão sua cirurgia se suas condições sangüíneas estiverem aptas após a confirmação pelos exames específicos de sangue.

Todo indivíduo deve se preocupar com a saúde do próprio sangue e fazer exames de rotina, para evitar surpresas desagradáveis. Portadores de hemofilia e de outras patologias hematológicas, se tratados e acompanhados por especialista também podem ser submetidos à cirurgia plástica, pois suas deficiências específicas podem ser supridas através de reposição adequada de componentes sangüíneos.

Nós da BG, profissionais da área de cirurgia que somos, sabemos o quanto é importante um bom preparo pré-operatório com exames laboratoriais, radiografias, eletrocardiograma e outros, para programar-se uma cirurgia com segurança. Quando associamos procedimentos cirúrgicos diferentes numa mesma intervenção, a avaliação hematológica torna-se ainda mais importante. Em cirurgias associadas maiores ou combinadas com lipoaspiração, solicitamos sempre o suporte de um hematologista para realizar o procedimento de auto-hemotransfusão, para maior segurança durante a cirurgia e melhor restabelecimento pós-operatório da paciente.


Cola de sangue

Há algum tempo atrás fizemos uso de uma cola hemostática chamada beriplast. Este produto, que parece com um gel incolor, foi utilizado em algumas cirurgias de face e sua aplicação aconteceu após o descolamento dos retalhos faciais. Realmente observamos que o pós-operatório apresentou menos edema e cicatrização rápida; entretanto, os custos da cirurgia aumentam consideravelmente.

Recentemente tivemos a notícia de uma cola biológica autógena obtida a partir do sangue do próprio paciente, a qual foi desenvolvida nos Estados Unidos no início dos anos 90. Sua finalidade é evitar
hemorragia, controlar sangramentos, potencializar o processo natural de reconstituição dos tecidos e assim, reduzir o tempo de recuperação de uma cirurgia. Diz-se que no caso de um lift de face pode reduzir o tempo de recuperação de duas para uma semana. A sua utilização é destinada, dentre outras especialidades, à cirurgia plástica, ortopédica e odontológica.

A cola de sangue ou autógena é um aperfeiçoamento da cola de fibrina, um componente natural do sangue que participa no processo de coagulação. A diferença entre as duas baseia-se no fato de que a atual cola é feita exclusivamente do sangue do próprio paciente e a outra versão utiliza a mistura de componentes de doadores humanos e proteína animal, no caso a bovina.

A cola autógena é colocada diretamente sobre o corte que quer se fechar. Tem uma concentração de plaquetas seis vezes maior do que a que corre normalmente no sangue das pessoas e promove quase de imediato à coagulação do tecido atingido.

Enunciamos a seguir os produtos existentes no mercado que são usados nas cirurgias para controlar hemorragias:
· Cola Autógena: concentrado de plasma do próprio paciente, rico em plaquetas e estimula a coagulação e a reconstituição dos tecidos.
· Cola de Fibrina: feita a partir do plasma de um doador e estimula a agregação de plaquetas e auxilia controlar sangramentos. Problemática: contaminação.
· Gelatina Absorvível: produto confeccionado do colágeno suíno, tipo uma rede gelatinosa que veda o fermento e estimula a coagulação. Problemática: o fator alérgico de incompatibilidade protéica.
· Cola Sintética: é um gel de polímero que acelera a coagulação.
O mais importante disto tudo, a máquina que faz "cola de sangue" (Magellan de empresa americana Medtronic), já está no Brasil. Basta colher 60cc de sangue do paciente, injetá-lo na máquina, apertar um botão, esperar vinte minutos, aguardar até o fim do processo para obter uma seringa de concentrado de plaqueta pronto para ser usado.

 


A temporada de carnaval vai começar. Resta saber se você se preparou bem fisicamente e se deu aquela ajudinha com uma cirurgia plástica. Não é crime melhorar sua beleza com uma lipoescultura, um silicone nas mamas, umas próteses no bumbum ou panturrilhas. Corrigir orelhas de abano e melhorar o nariz também ajudam.

Dance, sambe, desgaste as suas energias em felicidades e muita alegria. Brinque o carnaval numa boa!


 

Se você preferir um bom descanso viaje. Vá para as montanhas, para o campo ou à praia. Relaxe, medite, leia, namore e também se dê muitas alegrias. Você pode também aproveitar este período para fazer sua plástica.

>> BG Coluna Social

Uma Miss na BG

A charmosíssima Leila Schuster esteve na BG para retocar sua beleza e causou o maior frison diante do nosso staff feminino .

Na ocasião ficamos sabendo que a "Belíssima Miss" é a nova "Garota Coppertone". Desejamos tudo de bom neste seu novo reinado.

Festa de Inauguração

O nosso amigo Alan inaugurou a sua loja Alan Motors no mesmo prédio da BG, situado na Avenida Olegário Maciel 414, Barra. Desejamos muito sucesso.
Se você gostou dos assuntos ou queira saber mais sobre outros nos escreva.
Caso não queira mais receber esse informativo, basta responder a esse e-mail com o assunto CANCELAR.
Desenvolvido por Seu Site na Internet